sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Chegada





Chegaste…
num dia qualquer
de uma certa estação…
Sem aviso, sequer,
nenhuma empolgação,
como quem chega sem querer,
dissimulando o querer ficar…
Como um bem maior, um privilégio,
presença indispensável, sortilégio,
burlando o fuso horário,
mudando o calendário,
o itinerário, a hora , o fadário,
senhor absoluto do tempo.

Chegaste…
Surpreendendo a manhã
ao entregar o cetro para a tarde,
 revelando sombras em vertical
de pessoas vagando sob o sol,
rito costumeiro e pontual
anunciando o meio-dia,
do dia em que escolheste pra chegar.
Entremeio de manhã e tarde,
 das entrelinhas para o baluarte,
da surdina ao gesto de alarde,
na expectativa  de espreitar  a beleza,
roubar tons em gradação,
cores em formação
no momento exato do impacto
causado pelo sol tingindo o céu
e logo se perder  no horizonte.

Foste…
Junto com as cores do arrebol
morrer também atrás dos montes,
renascer, talvez, um novo sol
a irromper no amanhã,
com a manhã de cada dia.

(Carmen Lúcia)





3 comentários:

  1. Lindo como sempre!
    Parabéns, amiga Carmen Lúcia!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pelo carinho! Abraço!

    Carmen Lúcia

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir