quarta-feira, 28 de junho de 2017

Liberdade























Mostrei o que sou.
O que realmente modula em mim;
fui contra as marés,
emergi de um abismo sem fim.
Cruzei linhas paralelas,
 corri na contramão do vento, do tempo 
e me alcancei na última estação...
 
Rasguei minha carne, expus meu avesso,
o meu contexto
e toda a sensibilidade verbal,emocional,
escondida em contra senso,
sufocando o bem, endeusando o mal.
 
Postei nua minha identidade
e toda a verdade antissocial ...
chocando a realidade dura.
Vomitei iniquidades cruas
ingeridas por razão irracional
sob forte pressão radical.
 
Viajo sem malas.
Sem revolta ou bilhete de volta.
Sinto-me leve, nada que me pese,
sem alças das parafernálias
que pendurei num tempo que já teve fim.
 
Sigo só... melhor assim.
Insana, estranha, profana
é o que pensam e podem pensar de mim.
 
 
(Carmen Lúcia)

Quinta fase da lua





























O tempo escorre…
E a vida devagar tolhe
devaneios parcos,  poucos,
sonhos enroscados,
perdidos, afoitos,
famintos de querer  ficar.
Ocultos em oposição ao vento
pedem por socorro
e não os carregar,
clamam abraços de um poeta louco
ao não  se dar conta
 que o tempo é pouco
pra investir tanta emoção
e se emaranha nesse espaço roto,
por contradição,
nessa trajetória breve
que descreve
um caminho torto
onde o espinho arde
e a flor já não mais dá.
Mas se o motivo é arte
há que se cumprir a sina
da poesia que invade…
Ainda que o sol se (o)ponha
e na última esquina
de qualquer rua
aponte nua
em inusitada quinta fase,
a lua.

Carmen Lúcia



terça-feira, 13 de junho de 2017

Respostas sem perguntas















Reveste-se de pátina o cenário.
Personagens reais ou imaginários,
envelhecidos,
tribais.
Não pela ação do tempo.
 Por ali ele nem passa.
 Ultrapassa.
Assim como a ação da luz.
Descompassa,
 não seduz.

Quem são?
De onde vêm?  
Paridos de qual solidão?
O que não têm?
O que veda o sofrimento
 frente a tal confinamento?
No gueto,
o unguento a entorpecer feridas,
prisão cercada de fumaça e pó,
desamor a representar sem dó
 atos desencadeando  nãos  à vida.

E a sociedade, cheia de respostas,
de ideias e intervenções,
ações supostas,
olhos turvos de ramela,
olhar que reprime, atrela,
 lança a novas reclusões
sem a profundidade
precisa de um olhar,
onde se é juiz e promotor.
Sem réu.
Onde jaz todo valor
sem julgar a dor.

Arrogância, hipocrisia,
intolerância à revelia,
antropologia imoral,
um faz de conta geral
do rumo certo tomado  
e o certo ou errado
já se tornaram utopia.
Vultos sem rostos,
 vivos-mortos,
filhos da urbanização patológica.
 Não perguntam,  querem não ser.
Inibem a cara pro sol, tentam se esconder.
Lançar mão da droga para não doer
a dor que dói mais que se drogar…

São parte da sociedade,
não excluídos da Constituição,
prescritos na bíblia sagrada,
 sagrados em comunhão
ou o Cristo da revolta,
 “Atire a primeira pedra…”
não mais se revolta?
 Morreu?

A Cracolândia existe.
É o avesso do mundo.
Seu  lado contrário e imundo.
A realidade triste
que persiste em desdizer
o que sabemos
sobre condição humana.


 Carmen Lúcia





domingo, 23 de abril de 2017

A poesia espera


























A poesia espera
a flor nascer  no jardim,
o beija- flor voltear
a rosa vestindo carmim,
num beijo doce selar
o amor que não tem fim.

A poesia espera
o beijo frio da estrela,
o último pôr do sol,
a próxima lua cheia,
o  eclipse total,
a aurora boreal,
e toda a beleza celeste…

A poesia espera
a distância encurtar,
o encontro acontecer,
a aproximação vincular
almas que se buscam,
se amam, se ofuscam,
andarilhas na multidão
sem ter onde ancorar.

A poesia espera
o momento lento,
 o silêncio bento
de palavras caladas
e incalculáveis significados,
instantes eternizados,
sentimentos tantos,santos,
raridades, verdades…

A poesia espera
o rio transbordar, enfim,
e alagar toda tristeza
curando desastrosa crueza
a afluir num mar sem fim…

A poesia espera
o arrojo do arrependimento,
a delicadeza do perdão,
 o ápice do arrebatamento
enquanto o poeta dá vazão
a um turbilhão de sentimentos.


Carmen Lúcia


quinta-feira, 6 de abril de 2017

Contra versões




















Em qual versão me perdi? 
Foram tantas que vivi,
 expostas e inconvincentes.
Talvez em todas ou nenhuma.
Ou quem sabe
na tradução que imaginara
ser tal qual o meu perfil.
Porém ele se modificara
de acordo com os traslados dos dias
a interferirem  na alma
seguindo a revolução decorrente dos fatos
que lacram, decepam, descartam…
buscando entre boatos e mentiras
uma verdade sincera
a qual me propusera
julgando ser o caminho ideal.
Quimeras…
Foram tantas as versões…
Verdades se multiplicaram,
confundiram minhas (re)ações.
Insensatez…
Volto ao ponto inicial
e recomeço outra vez.


Carmen Lúcia



sexta-feira, 31 de março de 2017

Tempo da sabedoria


























Era, de todos os tempos,
o melhor …
Tempo em que se atirava
a impulsos tresloucados
sem medir o que viria
 da insensatez  de nada medir.
Em que a inconsequência era fato,
não impedia a ousadia do ato
de se fazer o que bem se quis.
Era um ser feliz por um instante,
ou por uma eternidade…
Era um se entregar constante
 por caminhos da liberdade,
a sede de beber felicidade
 sem o certo ou errado, nenhuma falsidade.
Dar o pulo do gato, desvendar o segredo
ainda que se quebrasse a cara
ficando de cara com a tristeza
a servir de consolo
ou  lição para a evolução.

Era tudo ao mesmo tempo,
eclosão de sensações,
explosão de sentimentos
em que não se ponderava…
Pior não ter feito nada
e se arrependido
depois do tempo perdido.

Era um tempo em que se vivia.
 Era o tempo da sabedoria.


Carmen Lúcia


quarta-feira, 29 de março de 2017

Dias conturbados



















Nesse tempo de rapidez tamanha,
de não mais saber onde mora o longe,
da tecnologia que nosso ar respira
e o pensar expira, pois a tudo ela responde,
da compulsão de olhar para uma tela fria
causando estragos, mentes doentias,
largando um mundo inteiro para lá,
juntando distâncias que se percorria
com a emoção de se querer chegar,
de se encontrar, trocar carinhos, 
sentindo o toque real  de tal magia…

Perco-me em pensamentos
num vaivém de dias desencontrados.
O ano quase se foi,
os meses não querem ficar,
os dias apressados
estão todos agendados.
O amanhã já é ontem,
o ontem virou saudade,
o hoje está cansado,
 chegou bem atrasado.

Despeço-me dos ricos detalhes.
Merecem pausa  para os apreciar.
Despeço-me da fantasia,
o tempo é curto pra se divagar…
A noite  vem chegando,
o dia vai raiar…
Não dá mais  para sonhar.


Carmen Lúcia




terça-feira, 28 de março de 2017

Os olhos de Carmen!




















Poema de Mauro Veras


.
Na foto, dois olhos, duas portas abertas
e a sede de conquistas que impulsiona navegadores:
o coração sempre a bater destemido!
o trem que apita sem dizer o destino!

Carmen, carmina, carme ... se acalme, poeta!
a jovem musa tem a essência das flores,
mas tem a força e o calor do sol a pino
sobre a areia fina de uma praia deserta.

Seus olhos denunciam o arrebatamento das paixões,
das paixões que movem legiões de soldados,
que têm o destemor dos riscos e do perigo
mas que também é suave como a muda do trigo!

Carmen Lúcia, a poetisa densa e amorosa
dona de uma poesia fina e arriscada, como as rosas ...
onde, envergonhado, um pequeno espinho se amiúda e some ...

Carmen Lúcia ... o que mais esperar da mulher
que traz a poesia e a luz no próprio nome?


Obs.: Poema realizado durante a cerimônia de minha posse na Academia Virtual Navegantes das Estrelas, em 01/11/2006, e dedicado à poetisa Carmen Lúcia.