segunda-feira, 27 de março de 2017

Protagonizando o outono





















Vivo o outono.
Não só a estação do tempo,
também a que trago aqui dentro,
outorgando tristonha
o cair  de folhas secas
e sua entrega ao vento.

No ar, galopa a polinização,
sem posição, sem direção, sem reta,
 um redemoinho de grãos
buscando lugar para procriar…
Em mim, rebelião de células
que desocupam lugar e secam,
causando  tristeza,  transtorno
 embolando-se com o outono.

Mistura de cheiros em ebulição,
Infusão a machucar o pulmão
dificultando o respirar,
provocando inquietação,
o desconforto de não saber explicar
o que não tem explicação.

Vivo o protagonismo da estação.
Sou folha que cai e se rende ao vento,
a fragilidade do amor que se vai
e se abriga ao relento.
A árvore desnuda
sem sequer uma muda
pra lhe agasalhar.

Temporariamente sou  outono.
Infinitamente continuo outono.
Tom tristonho, cores irreais,
folha amarelada em abandono
de papel ou de outono,
à espera de uma história imortal.

Carmen Lúcia




Nenhum comentário:

Postar um comentário